sexta-feira, 30 de outubro de 2009

ELE CHEGA COM A NOITE


A maioria das casas existentes naquele bairro eram consideravelmente antigas. Em especial, aquela para a qual Maria tinha acabado de se mudar havia sido construída em meados da década de 1970, mas se encontrava em excelente estado de conservação. Além disso, era grande, com três quartos, duas salas, uma ampla cozinha e um belo quintal, onde haviam várias árvores frutíferas. E o mais surpreendente: o aluguel custava uma ninharia. Apenas um terço a mais do que ela costumava pagar por um apartamento minúsculo e desconfortável que ficava em um prédio decadente de um bairro no extremo leste da cidade. Agora ela e a filha adolescente poderiam viver de forma bem mais tranqüila e confortável. E nos finais de semana, quando o marido caminhoneiro voltasse de suas viagens habituais, eles poderiam até mesmo fazer churrasco no quintal.
- Não entendo como podem existir tantas casas vazias nessa rua. – disse Maria – Elas são ótimas e o aluguel é bastante em conta.
- O problema é que elas são antigas. – respondeu Paulo, o agente imobiliário – E a senhora sabe como são as pessoas hoje em dia: querem tudo novo, tudo moderno. Gostam tanto das frescuras da moda que desvalorizam as coisas boas do passado, como as casas dessa rua.
- Pois para mim elas são ótimas! – retrucou Maria, com um sorriso satisfeito nos lábios.
- Eu também adorei! – complementou Magda, a filha.
- Pois então aproveitem! – disse Paulo, apertando a mão de Maria – E se precisarem de qualquer coisa, é só ligar para a imobiliária. Aliás, eu moro a três quarteirões daqui. Faço questão de vir sempre que for preciso.
Em seguida, o agente imobiliário se despediu e foi saindo, mas não sem antes dar uma boa analisada em Magda, observando-a dos pés a cabeça. Sua atitude foi um tanto indiscreta e a garota, percebendo a malícia no olhar do homem, enrubesceu. Apenas Maria não percebeu nada, de tão maravilhada que estava observando cada detalhe da casa. “Espere até o final de semana, quando o seu pai chegar!”, dizia ela. “Ele vai adorar essa casa!”.
Por volta das 23 horas, Magda já estava na cama, pois na manhã seguinte teria que ir para a escola. Embora tivesse que levantar ainda mais cedo do que a filha para ir trabalhar, Maria permanecia de pé, curtindo a primeira noite na nova casa. Ela havia acabado de colocar um bule com água para aquecer no fogão e estava procurando a camomila para o seu chá, quando um grito de terror ecoou no interior da residência. Maria reconheceu de imediato a voz da filha, e correu estabanadamente até o quarto dela. Quando abriu a porta, teve a visão mais terrificante de sua vida.
Magda se encontrava sentada na cama, gritando e chorando desesperadamente, enquanto olhava na direção da janela, através da qual uma criatura enorme e horrenda tentava entrar. O monstro já havia removido a veneziana de madeira, quebrado um vidro da parte interna da janela e, com sua mão peluda e robusta, onde se destacavam as garras afiadas, ele tentava remover o trinco que o mantinha do lado de fora. Maria logo percebeu que seria apenas uma questão de tempo até a criatura conseguir entrar, pois mesmo que ela não conseguisse abrir o trinco, não teria maiores dificuldades para despedaçar a janela com quatro ou cinco golpes.
Apavorada, a mulher puxou a filha pela mão e correu de volta para a cozinha. Seu primeiro impulso foi de sair gritando por socorro na rua, mas logo ela se deu conta de que não havia vizinhos próximos e que certamente o monstro as alcançaria antes que pudessem avançar algumas dezenas de metros. Pensou em pegar uma faca para tentar algum tipo de defesa desesperada, mas então seus olhos encontraram o bule cheio de água fervente sobre o fogão. Ela estava disposta a qualquer coisa para salvar sua vida e principalmente a da filha, de modo que não hesitou: pegou o bule e se dirigiu de volta ao quarto de Magda.
Quando atravessou a porta, Maria viu que o monstro já tinha conseguido abrir também a parte interna da janela, de forma que já estava com a cabeça, os braços e metade do corpo para dentro do quarto. Ele olhou para a mulher com seus enormes olhos vermelhos e reluzentes e uma macabra excitação pareceu transparecer em sua face horrenda. Nesse momento, Maria se aproximou corajosamente e, com um único movimento, arremessou toda a água fervente de encontro à face da criatura. Urrando de dor e ódio, o monstro retrocedeu desengonçadamente e saiu correndo em busca do abrigo acolhedor das sombras da noite. Sob a luz da lua cheia, Maria pode ver que, embora as características corporais da criatura lembrassem algo similar a um lobo de cerca de dois metros de altura, ela corria apoiada apenas nas pernas traseiras, com movimentos muito semelhantes aos de um ser humano.
Na manhã seguinte, Maria não foi trabalhar e Magda não foi para a escola. Só saíram de dentro de casa para ir até o telefone público mais próximo. Elas sabiam que seria inútil relatar o ocorrido para a polícia ou para qualquer outra pessoa. Certamente, ninguém acreditaria em histórias de lobisomens. Assim, ligaram apenas para a imobiliária, com a intenção de pedir para Paulo devolver o dinheiro do aluguel que havia sido pago adiantado, pois pretendiam ir embora o quanto antes pudessem. Contudo, a secretária da imobiliária disse que Paulo não havia ido trabalhar, apenas ligara dizendo que iria ao médico. Porém, a funcionária se prontificou a entrar em contato com o agente imobiliário e pedir para que ele fosse até a casa de Maria tão logo possível. Sem outra alternativa, só lhes restou concordar.
Maria e Magda passaram o dia apreensivas, intercalando olhares para o relógio e para a rua, esperando pela chegada de Paulo e pela subsequente oportunidade de ir embora daquela casa e daquele bairro, que já não lhes despertavam nenhum outro sentimento além do medo. Quando começou a entardecer, as duas se deram conta de que talvez o agente imobiliário não viesse mais e, consequentemente, elas teriam de passar mais uma noite na casa, pois não tinham outro lugar para ir. Rapidamente, começaram então a improvisar formas de reforçar as portas e janelas, para o caso de o monstro decidir voltar.
Já havia escurecido completamente quando alguém bateu na porta. Apreensiva, Maria perguntou quem era antes mesmo de se aproximar da maçaneta.
- Sou eu. Paulo. – respondeu a voz vinda do lado de fora.
Tomada pela esperança, Maria destrancou rapidamente a porta e abriu-a para receber o agente imobiliário. Porém, a visão que teve deixou-a tão espantada que, instintivamente tentou fechá-la novamente. Mas não foi possível. Paulo escorou a porta com uma das mãos e com a outra deu um safanão em Maria, fazendo-a cambalear para dentro. Em seguida, ele entrou e girou a chave detrás de si.
Paulo estava com o rosto quase que completamente coberto por ataduras, permanecendo de fora apenas os olhos e a boca. Pelas frestas entre as faixas, Maria e Magda puderam ver que a pele do rosto do homem estava desfigurada por queimaduras.
- Sua vadia desgraçada! – gritou Paulo, com um tom de voz cavernoso e amedrontador – Veja o que você fez com o meu rosto!
O homem então começou a remover as ataduras de sua cabeça, e a revelação do que havia por detrás delas fez com que Maria e Magda ficassem paralisadas de horror e repulsa. Além da pele queimada e purulenta, a face de Paulo apresentação outras anomalias, como o nariz retorcido para frente, os ossos das maçãs do rosto dilatados e espessos tufos de pelos negros que emergiam de seus poros disformes. Ele estava se transformando em um monstro.
- Eu queria apenas a sua filha! – vociferou aquele horrendo ser que já não se parecia mais com Paulo – Mas agora terei prazer em comer você também!
Na sequência, as roupas que o homem vestia se rasgaram e desapareceram daquele corpo junto com os últimos vestígios de humanidade. Coberto por uma pelagem negra e opaca, a criatura se aproximou das duas apavoradas mulheres escancarando sua enorme bocarra repleta de presas longas e afiadas e emitindo um urro ensurdecedor. Encurraladas, as duas se agacharam junto à parede, cobrindo os olhos com as mãos e esperando pelo pior. Ironicamente, o último pensamento lúcido que passou pela mente de Maria foi a compreensão de que não eram as casas antigas que afastavam os moradores daquela rua, mas sim aquela coisa que estava diante dela, igualmente antiga, mas infinitamente pior.
Durante aquela noite, gritos de dor e agonia ecoaram pela rua, acompanhados de urros monstruosos que denotavam ódio e satisfação. Porém, não havia vizinhos próximos para escutá-los e os que moravam mais distantes não ouviram nada. Ou, se ouviram, por medo fingiram não ouvir.

6 comentários:

  1. intrigante,e real. gostei.

    ResponderExcluir
  2. Engraçado como as coisas parecem coincidir, ontem eu aluguei aquele filme, "Silver Bullet", ou A hora do Lobisomen como ficou conhecido no Brasil, que foi uma adaptação de um dos livros de Stephen King, que você com certeza já deve ter visto ou lido, hoje leio sua história, trazendo aquela maxima de que o inimigo é quem menos esperamos, muito boa história meu amigo, continua a escrever e enriquecer nossas mentes com suas histórias, abraço...

    ResponderExcluir
  3. Valeu pelos elogios, pessoal. Continuem comentando, pois a opinião de vocês é muito importante.

    ResponderExcluir
  4. Exelente, realmente seu blog me deixa maravilhado, adoro lobisomens e so tenho a agradecer e a elogiar as obras postadas aqui, realmente magnificas.!

    ResponderExcluir
  5. Valeu, King. Obrigado pelos elogios e espero que você continue sempre curtindo o blog. Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá
    Sou Gabriel, tenho 13 anos e adoro esse site entro todo dia para ler uma história

    Continue postando a continuação e exelente trabalho
    As histórias são muito legais

    abraço

    ResponderExcluir