terça-feira, 17 de novembro de 2009

O ÚLTIMO TREM PARA O SUL


Marcelo e Juliana estavam sentados no teto de um dos últimos vagões de um antigo trem de carga que seguia na direção do extremo sul do Brasil. A prática de se embarcar clandestinamente nesse tipo de veículo era muito antiga e vinha sendo utilizada recorrentemente por todo o tipo de gente, de fugitivos passando por andarilhos sem dinheiro até simples aventureiros, que se lançavam em uma viagem deste tipo com o único objetivo de vivenciar uma aventura diferente. E era nessa última categoria que se encaixava o jovem casal do qual estamos falando. Eles já haviam voado de asa delta no Rio de Janeiro, saltado de bungee jump em São Paulo, praticado rafting no Rio das Antas, no Rio Grande do Sul e escalado o Pico da Neblina, no Amazonas. Naquele momento, acampar em um local ermo e isolado em uma região de matas, no interior de Santa Catarina, parecia uma boa pedida para as pretensões íntimas do casal. Ainda mais se este acampamento estivesse entremeio a uma excitante viagem clandestina em um trem antigo e barulhento.
- Veja! Lá na frente há uma grande curva. – disse Marcelo – O trem vai diminuir bastante a velocidade e é nesse momento que vamos saltar.
Juliana consentiu com um aceno de cabeça. Rapidamente, os dois desceram por uma minúscula escada de metal que ficava entre dois vagões e ficaram no aguardo do momento ideal para saltar. Quando iniciou a curva, o trem diminuiu drasticamente a velocidade, de forma que o casal entendeu que era a hora certa. Jogaram as mochilas nos arbustos que ficavam na margem da ferrovia e, depois de uma otimista troca de olhares, pularam quase ao mesmo tempo. Rolaram brevemente pela relva de um pequeno declive e, poucos instantes depois, já estavam se levantando, sorridentes.
- Nossa! Você foi muito preciso em seu plano! – disse Juliana, empolgadamente.
- Com certeza! – respondeu Marcelo – Mas como eu lhe disse: basicamente só repeti o mesmo cronograma que foi colocado em prática quando fiz tudo isso em companhia do meu irmão e dos meus primos, há mais de dez anos atrás.
- Ok. E agora? – perguntou a moça.
- Agora vamos descer por ali e procurar um bom lugar para acampar, pois logo vai anoitecer. Esse foi o último trem para o sul. Amanhã, pouco depois das 14:00 horas, devemos estar a postos naquela mesmo curva para embarcarmos na lata velha que nos levará para casa.
- Mas será que conseguiremos subir com o trem andando? – questionou Juliana.
- Claro! – respondeu Marcelo, confiante – Você não viu como ele fica extremamente lento enquanto faz a curva? Conseguiremos embarcar sem problemas.
Em seguida, o casal ajuntou as mochilas e seguiu por dentro da mata na direção leste por pouco mais de 1 km, onde encontraram uma pequena clareira e montaram acampamento. Rapidamente, as sombras da noite tomaram conta da paisagem.
- A que distância estamos da cidade mais próxima? – perguntou Juliana, enquanto colocava mais alguns galhos secos na fogueira.
- Creio que a uns 30 km. – respondeu Marcelo, enquanto aprontava a lingüiça para o churrasco – Mas acho que a 5 ou 6 km no sentido leste deve haver algumas pequenas fazendas. Pelo menos foi isso que os meus primos disseram da outra vez em que estive por aqui.
- Ah, então isso significa que nesta noite estarei totalmente a sua mercê... – disse a moça, de forma maliciosa.
- Com certeza! – respondeu Marcelo, em tom semelhante – Mas esse era um risco do qual você já tinha conhecimento, não é mesmo?
Antes que o casal pudesse dar prosseguimento ao diálogo provocante, um grande barulho se fez ouvir em meio à mata, nas proximidades do acampamento. Era como se alguém, ou alguma coisa, estivesse se aproximando rapidamente, esmagando os galhos e folhas secas que havia no caminho.
- Marcelo, o que será isso?! – questionou Juliana, visivelmente amedrontada.
- Calma! – respondeu o rapaz, pegando a sua faca de caça – provavelmente seja apenas uma lebre.
- Parece ser algo bem maior do que uma lebre... – retrucou a moça.
Então, seguiram-se alguns instantes que pareciam intermináveis, até que finalmente, uma mulher surgiu correndo de dentro da mata. Estava seminua, suja e com diversas escoriações pelo corpo.
- Ajudem-me! Ajudem-me! – gritava a desconhecida – Eles estão vindo e querem me matar! Vocês precisam detê-los!
Marcelo e Juliana bem que tentaram reter a mulher e lhe fazer algumas perguntas, mas ela se desvencilhou apavoradamente e seguiu correndo para dentro da floresta, na direção oposta de onde tinha vindo. Nesse instante, o casal ouviu novos barulhos de passos se aproximando.
- Não saia daqui! – ordenou Marcelo para Juliana, ao mesmo tempo em que pegou um grosso galho que seria usado na fogueira e se escondeu em meio aos arbustos.
No instante seguinte, um homem adentrou na clareira portando uma espingarda em mãos. Juliana gritou assustada, no exato momento em que Marcelo surgiu detrás dos arbustos e desferiu uma violenta paulada na cabeça do desconhecido, fazendo-o cair ao chão desacordado.
- Vamos logo, Juliana! Tire aquela corda da barraca e traga até aqui! Vamos amarrá-lo! – exclamou Marcelo, pegando a espingarda do misterioso sujeito.
Assustada, a moça tratou de seguir rapidamente a orientação do namorado. Porém, mal eles haviam amarrado o estranho, e mais uma vez os barulhos vindos da mata indicavam que alguém estava se aproximando. Marcelo pegou a espingarda do desconhecido e ficou a postos. Logo depois, um segundo homem apareceu no acampamento e, a exemplo do primeiro, também estava armado.
- Largue a arma! – ordenou Marcelo.
- Mas espere, deixe-me explicar... – tentou argumentar o estranho.
- Largue a arma ou eu estouro a sua cabeça agora mesmo! – insistiu Marcelo.
Sem opção, o estranho soltou a espingarda e ergueu as mãos para o alto.
- Juliana, pegue aquela espingarda e traga-a para cá! – ordenou Marcelo.
Mesmo receosa, a moça se aproximou lentamente, ajuntou a arma e correu de volta para o lado do namorado. Nesse instante, o homem que estava amarrado no chão despertou desorientadamente.
- Seus canalhas! O que pretendiam fazer com aquela moça? Seqüestrá-la? Estuprá-la? Ou algo mais criativo? – indagou Marcelo.
- Você não sabe de nada, rapazinho! – respondeu o homem que chegara por último – Ela estraçalhou dois empregados da minha fazenda!
- Ah, com certeza! – retrucou Marcelo, de forma irônica – É mesmo bastante provável que uma garota de pouco mais de um metro e meio de altura tenha condições de estraçalhar dois homens.
- Você não a conhece, garoto! Ela não é uma mulher normal. – disse o sujeito que estava amarrado.
- Anormais são vocês! – exclamou Marcelo – Não me admira que aquela pobre moça tenha corrido daqui como se fosse o diabo fugindo da cruz!
- Mas ela vai voltar, com certeza. – afirmou um dos estranhos – Nessa região ela não vai encontrar uma refeição mais apetitosa do que nós.
- Escute, meu jovem: que tal você me devolver a espingarda e soltar o meu amigo? – disse o outro desconhecido – É o melhor a fazer se pretendem sair vivos dessas matas.
Marcelo já se preparava para rebater as palavras do sujeito, quando ouviu um grito arrepiante às suas costas. Ao se virar, só teve tempo de ver o homem que estava amarrado no chão sendo arrastado para dentro da mata fechada enquanto gritava e esperneava desesperadamente.
- O que foi aquilo?! – indagou Marcelo.
- Alguém o pegou, mas foi muito rápido! Não consegui ver quem era! – disse Juliana, com voz trêmula.
- É ela! – exclamou o desconhecido – Se não reagirmos ela vai matar a todos! Devolvam-me uma das espingardas, rápido! Elas estão carregadas com balas de prata!
Em dúvida sobre o que fazer, Marcelo permaneceu imóvel por um instante, e esse momento de hesitação foi decisivo. Com espantosa rapidez, uma enorme criatura saiu de dentro da mata, no lado oposto da clareira, e saltou sobre o desconhecido. Surpreso e indefeso, o homem só teve tempo de vislumbrar os olhos avermelhados e reluzentes da criatura, instantes antes dela cravar as afiadas presas em sua garganta e dilacerá-la com uma vigorosa mordida.
Apavorado, Marcelo disparou dois tiros na direção do monstro, mas sem que nenhum deles atingisse o alvo. Contudo, tal atitude foi suficiente para chamar a atenção daquele horrendo ser que, de forma muito ágil, saltou na direção do rapaz e desferiu uma patada na espingarda que ele tinha em mãos, fazendo-a voar para longe. No instante seguinte, uma nova patada foi desferida pelo monstro, desta vez atingindo Marcelo no peito e derrubando-o ao chão.
Atordoado pelo golpe, o rapaz tentou se afastar rastejando, mas seu avanço logo foi interrompido no momento em que ele sentiu as presas pontiagudas da besta perfurando a carne da sua perna e provocando uma dor tão alucinante que o fez crer que iria desmaiar. Porém, no instante em que estava prestes a perder os sentidos, Marcelo ouviu o estrondo de um tiro anteceder um urro ensurdecedor que foi emitido a centímetros de sua cabeça. Depois de um breve instante de silêncio, que lhe pareceu extremamente longo e angustiante, o rapaz ouviu a voz chorosa da namorada.
- Marcelo! Marcelo, você está bem?! – gritava a moça.
O rapaz reabriu os olhos lentamente, mas ainda teve tempo de ver Juliana se agachando ao seu lado portando em mãos uma das espingardas trazidas pelos estranhos. Um pouco mais a frente, estava o corpo nu e ensanguentado da moça desconhecida que havia passado correndo pelo acampamento alguns minutos antes.
- Meu Deus! A moça era mesmo aquela coisa! – exclamou Marcelo, pasmo.
- Sim, mas esta morta! – disse Juliana, abraçando o namorado – Eu a matei.
- Você atira melhor do que eu! – disse o rapaz, tentando soar descontraído.
- Essa é só mais uma das várias coisas que eu faço melhor do que você! – retrucou a moça, no mesmo tom – Como está a sua perna?
- Doendo horrivelmente. Mas vou sobreviver. – afirmou Marcelo, sem ter a noção exata do que isso significava.

6 comentários:

  1. Meu amigo, essa história merecia ao menos virar um curta metragem, nota 10, abraço...

    ResponderExcluir
  2. Diego, obrigado pelos comentários! Vou fazer o possível para manter esse nível de qualidade nos próximos textos. Valeu!

    ResponderExcluir
  3. Se estes contos forem convertidos em filmes,daria filmes fabulosos; grande criatividade; garanto que seria bem melhor do que muitos filmes horrendos e sem nexo por aí!

    ResponderExcluir
  4. Oi, André...sua nova fã...
    Você já tem uma continuação??? Imagino que sim...rs...Se fosse filme, realmente, apavoraria!!! Seus contos tem o dom de fazer a gente entrar neles...A gente sente como se estivesse ali, observando...

    ResponderExcluir
  5. Ai André descobri seu site recente e agora to sempre por aqui, adoro histórias de lobisomem, sei que já disseram isso acima, mas essa é 10 e fiqui fã
    Alexy

    ResponderExcluir
  6. se eu tivesse dinheiro pra fazer um filme de lobisomens aqui no brasil o roterista iria ser você com certeza!!!

    ResponderExcluir