segunda-feira, 15 de novembro de 2010

NA MONTANHA DO PAVOR - Parte I


– Caramba! Vamos fazer uma pausa! – suplicou Milton, de forma ofegante – Não agüento mais carregar essa porra de sacola térmica!
– Vai dizer que você preferia ter deixado a cerveja em casa?! – provocou Paulina, em tom debochado.
– Ele tem razão! – intercedeu Cíntia, apontando para Milton e se esforçando para recuperar o fôlego – estamos subindo morro acima desde as oito horas da manhã!
– Certo! Certo! Vamos fazer uma parada! – apaziguou Rafael – Mas também não é preciso tanta reclamação, pois a partir de agora a subida já fica bem menos íngreme. Já estamos quase no topo.
– Aleluia! – gritou Milton, erguendo as mãos ao céu em um gesto propositalmente teatral.
– A vista aqui de cima é muito bonita. Dá para ver todo o vale lá embaixo. – disse Paulina, retirando a mochila das costas e sentando-se no capim – Como é mesmo o nome desse lugar?
– Morro da Guabiroba. A maior parte pertence ao município de Encantado. – explicou Rafael, entre um gole e outro de água.
– Não acredito! Você só pode estar brincando! – vociferou Cíntia, gesticulando exaltadamente – Morro da Guabiroba?! Você nos trouxe para o Morro Assombrado?!
– Epa! Você está doidona?! Que história é essa de assombração?! – intrometeu-se Milton, achando graça do chilique da namorada.
– É uma idiotice! – interveio Rafael – Histórias de caipiras e gente ignorante! Dizem que por estas bandas aparecem fantasmas, monstros ou sabe-se lá que outras bobagens do tipo! Tudo palhaçada!
– Palhaçada coisa nenhuma! – retrucou Cíntia – Já ouvi falar várias vezes sobre pessoas que desapareceram quando vieram caçar ou acampar por aqui! Além disso, a Clotilde, minha vizinha, já contou para todo mundo que um primo dela foi atacado uma coisa quando dirigia de noite através do morro, indo para a cidade de Doutor Ricardo!
– A rodovia que vai para Doutor Ricardo fica do outro lado do morro. – explicou Paulina.
– E mesmo que fosse aqui perto, qual o problema?! – exclamou Rafael – Me admiro muito em ver que você, Cíntia, que se acha tão moderna, acredita nessas histórias fajutas!
– Porra, Rafael! Você sabe que a Cíntia é encucada com esses negócios! – resmungou Milton – Será que não havia outro lugar para acamparmos?!
– Ora, mas não foram vocês mesmos que exigiram um lugar isolado e deserto para fazermos o que bem entendermos?! – retrucou Rafael – Justamente por causa de todas essas histórias imbecis de assombração é que eu tenho certeza de que nenhum caipira vai aparecer por estas bandas! Poderemos beber, fumar e trepar à vontade!
– Tem certeza? – perguntou Paulina, em tom malicioso.
– Claro! Até porque a parte habitada do morro fica para aquele lado! – exclamou Rafael, apontando para a sua esquerda – Aqui poderemos ficar bem sossegados!
– Ótimo! Ótimo! – disse Milton, levantando-se e recolocando e enorme sacola térmica nas costas – Então vamos subir o resto do trajeto e montar logo o acampamento! Não vejo a hora de fazermos o churrasco!
– E bebermos as cervejas! – complementou Paulina.
– Perfeito! Vamos lá! – incentivou Rafael, tomando a dianteira do grupo no reinício da caminhada.
Mesmo contrariada, Cíntia levantou-se e recolocou a mochila nas costas para seguir os amigos. Antes, porém, olhou para além dos morros circundantes, do outro lado do vale e constatou, com certa apreensão, que nuvens escuras surgiam no horizonte. Parecia que uma tempestade estava por vir.

Pouco depois do meio-dia, o grupo de amigos já havia se estabelecido em um pequeno planalto na parte superior do morro, montando o acampamento e acendendo o fogo para o churrasco. Depois de uma refeição regada a muita cerveja e pontuada por conversas triviais e descontraídas, cada casal recolheu-se para a intimidade de suas barracas. Aparentemente, a desagradável discussão da manhã sobre a má fama do Morro Assombrado já havia sido esquecida.

Quando Milton acordou, algum tempo depois, constatou que estava sozinho em sua barraca. Olhou para o relógio em seu pulso e surpreendeu-se ao ver que já passava das 18 horas da tarde. Saiu apressado do iglu e avistou Cíntia sozinha, próximo da borda do declive, observando o horizonte.
– O que você está fazendo? – indagou o rapaz.
– Veja. – disse a moça, sem tirar os olhos do céu – Está vindo uma tempestade.
– Ora, e daí?! É só uma chuva de verão! Ficaremos nas barracas até passar.
– Que escuridão! – exclamou Paulina, saindo do segundo iglu em companhia de Rafael – Pensei que estivéssemos no horário de verão!
– São as nuvens de tempestade. – disse Cíntia – Vem chuva por aí.
– Não sei por que tanta falação por causa de uma chuvinha! – resmungou Rafael, enquanto carregava a espingarda – Mesmo que tenhamos que ficar algumas horas dentro das barracas, temos várias coisas legais para fazer.
– O que você vai fazer com essa arma?! – indagou Paulina, surpresa.
– Caçar, logicamente! Está cheio de pombas nesses matos.
– Eu é que não vou ficar andando para cima e para baixo nesses barrancos! – retrucou a moça.
– Pois então fiquem aqui! – retrucou Milton – Iremos eu e o Rafael.
– Não acho uma boa idéia ficar apenas nós duas nesse lugar! – esbravejou Cíntia.
– Ora, parem de ser chatas! – exclamou Rafael – Nós vamos apenas até aquele bosque ali na borda da descida! Será que não podem ficar 300 metros longe de nós por meia-hora?!
Em protesto, as duas moças resmungaram ao mesmo tempo, mas a dupla de rapazes não lhes deu ouvidos. Sem mais delongas, seguiram na direção do bosque, deixando as namoradas no acampamento.
Tão logo adentraram por entre a parte mais densa da vegetação, os dois amigos perceberam que naquela área o declive era mais íngreme do que imaginavam e a pouca luminosidade que penetrava por entre os galhos das árvores robustas tornava a visibilidade pouco favorável.
– Merda! – resmungou Milton – Acho que não escolhemos bem o local. Está vendo o precipício que há lá embaixo?!
– Sim. – respondeu Rafael – E com essa escuridão o negócio fica perigoso. Vamos descer ali pela esquerda, mas cuidado para não resvalar!
Como em uma cena de um ingênuo filme de comédia, tão logo Rafael acabou de proferir a sua frase de advertência, Milton perdeu o equilíbrio ao pisar em uma pedra mal fixada no barranco e, com um grito de espanto, rolou pela encosta do declive, ganhando velocidade na medida em que despencava.
– Jesus Cristo! – gritou Rafael, um segundo antes de se desatar a correr morro abaixo atrás do amigo.
Embora não tenha demorado mais do que dois minutos, a descida de Rafael pareceu-lhe ter durado uma eternidade, pois além do desconforto de ter que segurar a espingarda, ainda precisava ter todo o cuidado possível para que ele próprio não caísse ladeira abaixo. Na medida em que descia, via pela lateral da encosta o rastro de arbustos amassados deixado pela queda do amigo e, em seu íntimo, temia encontrá-lo morto.
Porém, pelo menos nesse aspecto, a realidade revelou-se melhor do que a mais positiva das expectativas. Quando chegou a uma pequena área plana que se assemelhava a uma espécie de degrau natural esculpido no barranco, Rafael já encontrou o companheiro se levantando. Milton estava com as roupas sujas de terra e cheias de folhas dependuradas, mas, além de um pequeno corte na testa por onde escorria um estreito filete de sangue, não aparentava ter sofrido nenhuma outra lesão mais séria.
– Cara, graças a Deus você está bem! – Comemorou Rafael – Com uma queda dessas você poderia ter se quebrado todo!
Contudo, Milton não compartilhou do entusiasmo do amigo, pois estava entretido, como se em transe, olhando fixamente para um ponto específico localizado um pouco abaixo do minúsculo platô em que se encontravam. Intrigado, Rafael olhou na mesma direção e, chocado, deixou escapar um gemido de espanto com o que vislumbrou. Enroscadas entre arbustos, estavam duas ossadas que eram inconfundivelmente humanas, pois entorno dos cadáveres descarnados eram perfeitamente identificáveis peças de vestuário, como calças, casacos e até uma mochila ainda presa às costas de um dos corpos.
A dupla de amigos estava tão chocada com a macabra descoberta que só se deu conta da aproximação de suas respectivas namoradas quando as moças já estavam praticamente postadas ao seu lado e, mediante a terrificante visão, começaram a gritar alvoroçadamente.
– Meu Deus! Eu disse! Eu disse! Esse lugar é amaldiçoado! – berrava Cíntia, em meio às lágrimas de desespero!
– Vamos cair fora daqui! – implorava Paulina, também em prantos – Depressa! Depressa!
– Alguém está se aproximando. – disse Milton, apontando o dedo para a direita, área onde a vegetação era ainda mais densa.
Como Rafael permanecia em silêncio, alheio à gritaria ao seu redor, Milton o sacudiu pelo braço e tornou a apontar na direção de onde vinha o barulho de galhos se partindo e folhas secas sendo pisadas. As moças, ao se darem conta da iminente chegada de alguém – ou de algo – vindo de dentro da mata, passaram a gritar de forma ainda mais estridente.
– Alguém está se aproximando! – repetiu Milton, dessa vez aos berros.
Apenas nesse momento Rafael pareceu se dar conta do que estava acontecendo. Quando olhou na mesma direção dos demais companheiros, avistou a vegetação que balançava e se envergava, deixando claro que dentro de segundos o grupo não estaria mais sozinho. Mediante o panorama de pânico e desespero que se formatava ao seu redor, deturpando sua capacidade de reflexão, o rapaz instintivamente ergueu a espingarda que trazia em mãos e apontou-a na direção temida. Quando apertou o gatilho, o estrondo do tiro veio acompanhado de um gemido abafado e do baque de algo pesado que desabou por detrás dos arbustos.

Continua...

4 comentários:

  1. Adorei! kd a seguda parte André...

    ResponderExcluir
  2. Adoro os contos desse blog...
    esse conto me deixou roendo as unhas e na melhor parte para...não vejo a hora de ler o resto.

    bjux

    ResponderExcluir
  3. Oi, Honey. Muito obrigado pelos comentários! A segunda parte da minissérie vai sair ainda neste semana, com certeza. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi, André!
    Sabe que gosto de tudo que você escreve (rsrs). Vou guardar este aqui também.
    Parabéns! Ah, Estou no metade do seu livro. Abração.

    ResponderExcluir