segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

NA MONTANHA DO PAVOR - Parte Final


Mesmo sem que fosse preciso trocar qualquer palavra sobre o acontecido, todos os fugitivos remanescentes sabiam perfeitamente o que aqueles gritos significavam. Intimamente, um toque de melancolia fustigou cada um deles, mas o desespero e a ânsia por manterem-se vivos fizeram com que logo suas atenções tornassem a ser direcionadas apenas para a fuga que poderia salvar suas vidas.
Quase no mesmo instante em que o velho guiou o grupo até uma escarpa mais íngreme que as demais circundantes – e passou a escalá-la com uma desenvoltura surpreendente para alguém daquela idade – a chuva que ameaçava cair sobre o vale durante a maior parte do dia finalmente desabou de forma torrencial em meio a relâmpagos e trovoadas.
Enquanto Milton e Cíntia seguiam o ancião de perto, apensar das inegáveis dificuldades provocadas pelos tropeços e resvalos, Rafael havia ficado um pouco para trás, pois além do tempo que perdeu cogitando ajudar Paulina, ainda estava sendo prejudicado pela chuva que rapidamente transformava em lama o sopé da escarpa e fazia com que ela se tornasse inconvenientemente escorregadia.
– Desçam pela direita e me esperam na entrada daquele bosque! – disse Jaime ao casal de namorados, tão logo chegaram à parte superior do íngreme aclive – Eu vou ajudar o amigo de vocês a subir e depois encontraremos vocês lá.
– Podemos ajudar também! – ponderou Milton.
– Não! Vão à frente! – insistiu o velho – Eu conheço a região e logo alcançaremos vocês!
Desistindo de insistir, Milton pegou Cíntia pela mão e a puxou no rumo indicado pelo ancião, tentando correr o mais rapidamente possível. Por sua vez, Jaime deitou-se na borda da encosta e estendeu o braço para baixo, na direção de Rafael, que se arrastava à duras penas até lá.
– Segure a minha mão, rapaz! Vamos! – gritou Jaime, tentando fazer sua voz soar audível em meio às insistentes trovoadas.
Sem titubear, Rafael estendeu seu braço para o velho e sentiu-se parcialmente aliviado ao constatar, instantes depois, que já estava do lado de cima da escarpa.
– Até eu recuperar o fôlego, me responda uma coisa, vovô... – disse o rapaz, enquanto sentava-se ao lado do velho, que se encontrava tão ofegante quanto ele – Essa coisa que está nos seguindo é o tal rapaz que você procurava, certo?
– Sim. – respondeu o ancião, em tom melancólico – É o José Cláudio. Ele é um lobisomem.
– Um lobisomem?!
– Isso mesmo. Ele já é assim há muitos anos, desde que foi contaminado quando voltava de um baile. Sempre que é noite de lua cheia eu o tranco em uma jaula para impedir que ele machuque alguém.
- Ora, vovô, conte direito essa história! – esbravejou Rafael – Se você sempre o mantém trancado, então porque há tantos relatos terríveis sobre esse lugar?! Vai tentar me convencer de que ele não tem nada com isso?!
– Bem, a verdade é que no início as coisas foram difíceis – disse Jaime, constrangido – Imagine se isso acontecesse com você, como se sentiria?! O pobre rapaz demorou a compreender a sua situação e finalmente optar por se trancafiar na jaula. Antes disso, infelizmente, algumas pessoas acabaram tendo o azar de topar com ele em noites de lua cheia.
– Você continua me enrolando, velhote! – exclamou Rafael – Vamos deixar de enrolação e abrir o jogo! Eu e os meus amigos vimos dois cadáveres hoje à tarde! E eles não eram tão antigos assim!
– Acontece que o José Cláudio fugiu uma vez! – respondeu o ancião, com voz trêmula – Ou melhor: duas! E em ambas às vezes pessoas inocentes acabaram sofrendo as conseqüências! É muito triste que isso tenha acontecido, mas ele não fez por mal! Acontece que, quando é lua cheia, ele simplesmente não consegue se controlar!
– Não fez por mal?! – vociferou furiosamente o rapaz – Então quer dizer que ele acabou de devorar a minha namorada sem querer?! Ora, faça-me o favor! Se eu soubesse de tudo isso antes, teria metido dez tiros naquele desgraçado ao invés de um só!
– Você deu um tiro nele?! – exclamou Jaime, surpreso.
– Dei sim! – respondeu Rafael, sem disfarçar a irritação – Foi um acidente, mas agora me arrependo é por não ter dado outros!
– Bem, isso explica porque ele não foi para casa ao entardecer. – ponderou o velho, pensativo – Quando chegou à hora de trancafiá-lo e percebi que ele não estava lá, logo entendi que algo devia ter acontecido.
Antes que o diálogo pudesse ser levado adiante, um uivo terrificante ressoou em meio às trovoadas, deixando claro que a besta continuava no encalço de suas presas.
– Merda! – esbravejou o rapaz, levantando-se apressadamente – Ele já está ali embaixo! E agora, qual é o plano, vovô?!
Apesar da indagação do rapaz, Jaime nada respondeu. Apenas levantou-se dissimuladamente erguendo com sigo uma pedra tão grande que mal cabia em sua mão direita. Aproveitando-se do fator surpresa e da distração de Rafael – que estava tentando avistar em meio às sombras a criatura que os perseguia – o ancião aproximou-se do jovem e o atingiu com uma violenta pedrada na cabeça, tão forte que o fez tombar já desacordado e rolar vertiginosamente para baixo da escarpa.
– Isso é por ter atirado no meu filho, seu garoto imbecil! Toda essa confusão é culpa sua! – vociferou Jaime, ao mesmo tempo em que, metros abaixo, as mandíbulas poderosas do monstro rasgavam a garganta de Rafael e partiam sua coluna vertebral.

Na entrada do bosque à direita da escarpa, Milton e Cíntia discutiam sobre o que deveriam fazer.
– Não adianta nos enfiarmos no meio do mato com essa escuridão! – exclamou Milton – Precisamos esperar pelo velho!
– Veja! – gritou Cíntia apontando para a esquerda – Não é o velho descendo para lá?!
– É sim! – concordou o rapaz, após observar mais atentamente o vulto que se embrenhava rapidamente no bosque sem lhes destinar maiores atenções.
Intrigados com a atitude de Jaime, os jovens decidiriam correr em seu encalço.
– Jaime! Jaime! – gritou Cíntia – Você não ia nos chamar?!
– Ah, sim! – respondeu o velho, sem muita convicção – Entrei no bosque tão apavorado que nem vi vocês.
– Onde está o nosso amigo? – indagou Milton, andando logo atrás do ancião.
– Ele já era. – respondeu Jaime, sem nem olhar para trás – Rolou do barranco e foi pego.
– Meu Deus! Meu Deus! – exclamou Cíntia, caindo em prantos novamente.
– Que merda! – gritou o Milton – E você não conseguiu ajudá-lo?!
– Não. – concluiu secamente o velho, acelerando o passo.
– E agora, o que faremos?! – insistiu o rapaz.
– Vamos até o açude. – resmungou Jaime.
– Açude?!
– Sim. – confirmou o ancião – Um lago que é utilizado por um morador que vive do outro lado do morro para criar carpas. Lá há um pequeno barco a remo que é utilizado na pesca. Acho que ele poderá ser útil.
– Não seria melhor tentar chegar até a sua casa, ou de algum outro morador da região?
– Não dá tempo! – retrucou o velho – Ele nos alcançaria antes de chegarmos. Por isso vamos apelar para o barco. Acredito que, se conseguirmos remar até o meio do açude, ficaremos em segurança.
Após poucos minutos de apressada caminhada, Jaime – que conhecia perfeitamente cada palmo da região – conduziu os apavorados jovens até a margem do pequeno lago. Naquele momento a chuva já havia cessado e a lua cheia voltava a encontrar brechas por entre as nuvens para lançar sua luminosidade fantasmagórica sobre a paisagem. Sem muito esforço, o velho localizou o pequeno barco amarrado a um palanque em uma minúscula enseada. Nervosamente, ele desprendeu a embarcação das amarras e a empurrou para a água.
– Esse barquinho não é pequeno demais para três pessoas?! – indagou Cíntia, em meio aos soluços.
– Acontece que ele vai conduzir apenas uma. – respondeu o ancião, abaixando-se para pegar um remo que se encontrava no assoalho do barco.
Milton já estava abrindo a boca para questionar a afirmação do velho, mas não teve tempo de pronunciar sequer uma palavra. De maneira súbita e inesperada, Jaime virou-se na direção do rapaz e o atingiu no rosto com um violento golpe de remo.
Com um grito abafado, Milton tombou na relva molhada e imediatamente sentiu o gosto de sangue lhe inundando a boca.
– Mas o que é isso?! – gritou Cíntia, enquanto se agachava para amparar o namorado com uma expressão apavorada no semblante.
– Isso é para vocês aprenderem, seus garotos estúpidos! – esbravejou o ancião, já a bordo do pequeno barco – Quem vocês pensam que são para atirar no meu filho?! Agora agüentem as conseqüências do que fizeram!
– Seu velho filho da puta! – vociferou Cíntia, em prantos.
Mesmo atordoado pelo golpe recebido, Milton levantou-se com a mão no rosto ensanguentado e tentou adentrar no açude ao encalço de Jaime, mas a embarcação já estava fora de alcance. Perplexo, o casal de namorados permaneceu imóvel por um instante, observando o ancião que se afastava remando rapidamente para o meio do pequeno lago, cuja placidez só era fustigada pela luminosidade esbranquiçada da lua cheia que refletia em suas águas.
De repente, Milton agarrou Cíntia pela mão e a puxou com rispidez, conduzindo-a quase de arrasto através da pequena trilha que costeava o açude.
– Para onde estamos indo?! – indagou a moça.
– Para qualquer lugar longe daqui! – respondeu com dificuldade o rapaz, em função do rosto machucado – Não ouviu o barulho na mata lá atrás?! Aquela coisa já está vindo!
Ao longo de um período que seria incapaz de precisar, Milton escoltou a namorada através da trilha que se afastava do lago e subia em direção a um barranco cuja encosta era totalmente recoberta por capim. Ele tinha certeza de que pelo menos uns dois dentes haviam se quebrado com o golpe desferido pelo velho e talvez até o maxilar. A dor em toda a sua face era intensa. O sangue continuava a escorrer de sua boca e a cada minuto que passava ele sentia-se mais fraco, mas, mesmo assim, procurava ignorar o mal-estar, os tropeços e as quedas para amparar Cíntia e tentar levá-la para um local seguro o mais rapidamente possível.
Quando chegaram ao topo do aclive, os jovens avistaram uma luz proveniente do que parecia ser uma casa, localizada a uma distância não muito grande de onde se encontravam.
– Veja! – exclamou a moça, apontando para o local de onde provinha a luminosidade – Vamos descer até aquela casa e pedir ajuda!
Milton apenas assentiu com a cabeça e seguiu ao lado da namorada, ainda que de forma cada vez mais trôpega.
Do outro lado do morro, o terreno era recoberto por capim apenas na parte mais próxima ao topo. Na medida em que desciam na direção da casa, os jovens se embrenhavam em uma área onde a mata era mais densa e as árvores de grande porte – inicialmente esparsas – tornavam-se cada vez mais frequentes e próximas umas das outras, fazendo com que, em certa altura, seus galhos e folhagens se emaranhassem a ponto de formar um verdadeiro túnel natural, através do qual o luar não conseguia penetrar.
Em dado momento, Milton trombou de encontro ao tronco de uma árvore e caiu sentado. Tentou levantar-se de imediato, mas vacilou ao sentir que as forças já o abandonavam.
– Que merda! – resmungou o rapaz, em um tom sussurrado e exausto – Não enxergo nada nessa escuridão!
– É só continuarmos descendo em linha reta! – disse Cíntia, tentando motivar o namorado – Logo vamos atravessar esse bosque e então avistaremos a casa com facilidade.
Milton queria dizer que sim e com isso manter a motivação da namorada, mas quando vislumbrou duas esferas avermelhadas e reluzentes aproximando-se rapidamente em meio a escuridão, tudo que conseguiu foi emitir um gemido de pavor que logo foi substituído por um lancinante grito de dor.
Quando Cíntia percebeu, a criatura que ostentava aquele par de olhos rubros e demoníacos já havia saltado sobre seu namorado. Na escuridão, ela não enxergava quase nada, mas os urros vorazes emitidos pelo monstro e os berros desesperados que escapavam da boca ensanguentada de Milton não deixavam dúvidas sobre o que estava acontecendo. A moça permaneceu estática, gritando e chorando desesperadamente, incapaz de fazer qualquer coisa enquanto o rapaz era devorado vivo. Sua transtornada imobilidade só foi rompida no instante em que ela ouviu o barulho perturbador do que lhe pareceu ser algo robusto se partindo, no exato instante em que Milton emitiu um grito ainda mais forte e estridente do que os anteriores, para em seguida se calar. Nesse mesmo momento um líquido quente e viscoso espirrou de encontro ao rosto da moça e ela logo compreendeu do que se tratava.
Saindo daquela espécie de transe que a mantinha imóvel, Cíntia desatou-se a correr ladeira abaixo em meio à escuridão. Na descida, trombou com árvores e pedregulhos, tropeçou em galhos e caiu por diversas vezes, mas, movida pelo intenso desespero, levantou-se após cada queda e, ignorando os ferimentos que maculavam seu corpo, prosseguiu correndo. Quando finalmente conseguiu sair da parte densa do bosque, constatou com um grito de satisfação que a casa que avistara do alto do morro já estava bastante próxima. Poucos minutos depois já se encontrava esmurrando a porta da residência e gritando por socorro.
Após alguns segundos que lhe pareceram longos como a eternidade, a porta finalmente foi aberta e uma velha apareceu.
– Querida, o que está acontecendo?! – indagou a anciã.
– Tem um monstro lá fora! – gritou Cíntia, praticamente atirando-se para dentro da residência e fechando a porta detrás de si – Ele matou os meus amigos e agora está vindo atrás de mim!
– Calma, minha menina! – disse a velha, em um tom sereno que não demonstrava nenhum espanto – Está vendo estas grades na janela e a tranca na porta? São de prata! Ele não pode entrar aqui. Fique tranqüila.
– Ah, então a senhora já sabe da existência dele! Mas o meu namorado ainda está lá fora! Eu preciso ajudá-lo!
– Talvez só lhe reste ajudar a si mesma.
Cíntia compreendeu o que a anciã quis dizer, mas naquele momento seus olhos vislumbraram uma espingarda presa na parede, logo acima da pia da cozinha e a esperança voltou a fustigar seu coração.
– Me dê aquela arma! – ordenou a moça – Vou voltar para ajudar o meu namorado!
– Talvez só lhe reste ajudar a si mesma. – repetiu a velha, ainda em um tom de voz condolente.
– Então pelo menos eu vou encher de chumbo aquele filho da puta! – gritou Cíntia – Meu amigo deu um tiro nele e eu vou dar outro! Bem no meio da cara do desgraçado!
– Seu amigo deu um tiro nele?! – questionou a anciã, surpresa.
– Deu sim!
– Mas e depois, o que aconteceu?!
– Meu amigo atirou nele sem querer, mas atirou! Se soubesse da verdade certamente teria atirado mais! E depois, quando o monstro começou a nos perseguir, aconteceu o pior: um velho escroto disse que nos ajudaria a fugir, mas escapou sozinho de barco e nos deixou para trás! E ainda deu uma pancada com o remo no rosto do meu namorado!
– Fugiu de barco?! – indagou novamente a velha.
– Sim! E por culpa desse velho nojento o Milton foi pego! Agora temo que tenha sobrado apenas eu!
– Sobrou apenas você?! – perguntou mais uma vez a velha, no mesmo tom de voz monótono.
– Sim! – esbravejou Cíntia, irritada com as perguntas retóricas da anciã – Agora me dê aquela merda de arma, pois eu vou acertar as contas com aquele bicho filho da puta!
– Certo, certo. – concordou a velha, finalmente retirando a espingarda do suporte na parede e entregando-a para Cíntia.
Com a arma em mãos, a moça rapidamente precipitou-se porta afora.
– Adeus! – disse a velha, voltando a trancar-se na segurança da casa.
Cíntia nada respondeu, pois todas as suas atenções estavam voltadas para a criatura que naquele exato instante saia de dentro do bosque e seguia lentamente na direção da residência. Uma criatura enorme e de aspecto repulsivo, onde se destacavam os olhos avermelhados e perversos que reluziam à distância.
Mesmo sem nunca ter empunhado uma arma antes, Cíntia apontou a espingarda na direção do monstro e – tomada pelo ódio – apertou o gatilho com convicção. Para a sua surpresa, apenas um suave estalo metálico seguiu-se ao seu gesto.
– Meu Deus! – gritou a moça, em pânico – Essa porra de arma está descarregada!
– É claro que está descarregada! – vociferou a velha em resposta, por detrás da porta da casa – Acreditou mesmo que eu permitiria que você atirasse no meu filho?!
Cíntia pensou em todas as ofensas e xingamentos que conhecia e almejou despejá-los contra a anciã que a fizera cair em uma armadilha, mas não teve tempo de pronunciar uma palavra sequer antes que o lobisomem arrancasse a arma de suas mãos e a suspendesse no ar, agarrando-a pelo pescoço.
Quando os gritos de dor e pavor da moça começaram a ecoar, deixando claro que o sangrento ritual de abate havia iniciado, a velha aproximou-se da janela e espiou para fora através de uma pequena fresta.
– Aproveite bem, seu menino sapeca, pois amanhã você volta para a jaula! – exclamou a anciã, com um sorriso terno e maternal preenchendo-lhe os lábios.

5 comentários:

  1. Oi, André!
    Arquivei este conto também. Agora que tenho os três pedaços, vou ler tudinho. Tenho várias de suas histórias arquivadas numa pastinha.
    Ah, terminei seu livro. Bárbaro! Até eu fiquei com medo (rsr). Muito bom! Agora vou ler o outro (o que você escreveu primeiro). Abração.

    ResponderExcluir
  2. Gosto de passar por aqui de tempos em tempos e me perder nesses contos, apesar de ser sobre lobisomens, mas afinal não precisamos ser inimigos, podemos co-existir sem problemas. Somos criaturas da noite e o mundo é enorme.

    ResponderExcluir
  3. Adorei esse conto, muito bom, Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Ave, Andre! Sigo seu blog e amo seus textos. Acabei de deixar um comentário no texto da Maia. Lindo, lindo. Gostei muito. por mim, ta aprovada, convida ela de novo. Que história, cara,
    Fada Celeste.

    ResponderExcluir
  5. sem comentarios. porque tu nao faz uma coletanea e publica Andre?

    ResponderExcluir