quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

VIDA DE CÃO

Por Iam Godoy*, autor convidado do mês de fevereiro



Tobias sempre foi uma criança problemática. Aos nove anos de idade afogou o gato da vizinha no vaso sanitário e eram constantes as reclamações dos vizinhos por causa de suas peraltices com os animais.

Mesmo após as frequentes surras que tomava o "garoto-capeta" continuava sendo o terror dos animais. Gatos, pássaros, pequenos insetos tinham suas vidas tomadas bruscamente para alimentar a sede do pequeno monstro, que se divertia vendo-os sofrerem torturas intermináveis. Dentre todas as vítimas os mais caçados eram os cães. Tobias dizia que os gritos que davam ao serem escaldados ou apedrejados eram terrivelmente engraçados por lembrarem gritos humanos.

Sua mãe foi aconselhada a levá-lo a um psicólogo, poia a agressividade do garoto deveria ser tratada com urgência. Dona Ivone retrucava alegando que tudo o que seu filho fazia era absolutamente normal para as crianças da sua idade e que o tempo iria fazer este costume desaparecer.


Tobias cresceu e sua maldade o acompanhou desde então...

Após a morta de sua mãe começõu a tomar conta dos negócios da família, que além de algumas propriedades imobiliárias dirigia um açougue no bairro onde moravam. O "Prazeres Bovinos" servia como uma espécie de paraíso secreto para o velho Tobias, agora um homem obeso e pouco amigável. Nada sera melhor no mundo do que ficar boa parte do dia entre sangrentos pedaços de animais abatidos e ainda receber por isso. Apesar do estabelecimento estar sempre cheio o real prazer do açougueiro vinha somente depois de fechar as portas.

Religiosamente, toda sexta-feira, Tobias pegava sua van e enchia de retalhos de carne que sobravam dos cortes e os transportava para casa. Ao chegar ligava o rádio em alguma estação de frequência AM e colocava um ensebado avental. Cantarolando algo entre os dentes que seguravam com força um toco de charuto fedorento, Tobias preparava uma grotesca refeição que ele intitulava como "Última Tentação Canina" e que tinha em sua composição, além dos retalhos de carne, doses cavalers de cerol e chumbinhos.

Ao anoitecer, abastecia a van com um galão cheio da ração mortal e partia para os becos, praças e vielas distribuindo pequenas vasilhas da perigosa iguaria. Quando os animais se aproximavam aos bandos para se alimentarem o velho Tobias ligava uma pequena câmera e se divertia ao filmar os cães vadios espumarem e ganirem em convulsões descontroladas enquanto o vidro rasgava suas entranhas. Muitas vezes chegou a gargalhar alto quando alguns filhotes serpenteavam entre suas fezes e vômito escarlate, mas logo levava a mão a boca para não levantar suspeitas. Poderia rir a vontade quando passasse os videos para o computador.

Certa noite Tobias se preparava para iniciar a sua versão de "ação social e assistência ao bairro" quando notou um considerável bando de cães seguindo o curso do bosque. "Lá seria o lugar perfeito para o banquete dos vira-latas e nem precisaria me livrar das suas carcaças pulguentas depois da diversão!". - pensou Tobias ao colocar o galão de ração nos ombros e seguir o curso da matilha.

A lua cheia iluminava o caminho como um sol pálido, mas nem a total escuridão deixariam o velho açougueiro perder aquele rastro. Os uivos dos cães soavam em uníssono como se quisessem acordar o diabo e Tobias chegou a contar pelo menos dez raças diferentes de cães, de todos os tamanhos e idades, mas o que mais chamou a sua atenção foi um enorme animal de pêlo castanho que liderava a matilha. Os outros cães o rodeavam como se fosse uma espécie de divindade canina e o velho descobriu desta forma que os vira-latas não estava uivando para a lua e sim para a criatura. Curiosamente, os uivos eram bastante semelhantes à lamúrias de luto e reclamações...

Tobias apagou seu charuto no bico da bota e olhou ao redor. O silêncio era opressor e quando se voltava para a estranha reunião quase teve seu coração expelido pela boca. A grotesca criatura-cão estava erguida somente pelas patas traseiras e uma garra animalesca apontava um dedo peludo em sua direção. Seus olhos avermelhados só transmitiam uma mensagem: "Tobias Assumpção vai morrer esta noite!"

Aquela cabeça canina parecia sorrir e o açougueiro escutou daqueles lábios caninos a ordem mais grotesca que havia escutado em vida: "Pega!"

O homem começou a correr desesperado pela mata enquanto uma matilha gigantesca de cães de rua avançavam em sua direção. Lutou bravamente por alguns minutos até que foi levado ao chão por causa do sangramento das mordidas. Ensanguentado e apavorado como num pesadelo diabólico, o velho açougueiro viu aquele monstruoso cão do inferno se curvar diante de si e novamente abrir sua boca fedorenta e cheia de presas amareladas...

"Morto!"

No dia seguinte alguns corredores encontraram o corpo do velho assassino de cães numa trilha próxima ao bosque vizinho. Estava delirante e sofria muito por causa das fraturas expostas de suas pernas e braços e foi por muita sorte que não tenha sido morto por "feras da floresta", disse o cherife.

Algumas semans depois a polícia foi tentar esclarecer aquele atentado, mas tudo o que conseguiu do velho Tobias foi uma sequência de ganidos, uivos e latidos que o trancariam num hospício pelo resto de sua vida.

* Iam Godoy: Nascido em São Paulo (SP), é um dos fundadores do grupo Ravens House Brasil, editor do fanzine elétrico Fun House Xtreme e um viciado irrecuperável por filmes e literatura de horror. Contatos: ivandromeister@gmail.com

4 comentários:

  1. Desde garoto, sempre fui amante de histórias de horror, em especial de lobisomens e vampiros. Parabéns, Iam, este conto me proporcionou momentos de angústia e prazer... 1 abraço meu,

    the Osmar

    ResponderExcluir
  2. tobias morto.!
    torço pra todos os personagens dos contos se salvarem
    mas esse aí bem que mereceu sofrer!Acabou num hospício senti o gosto da justiça foi bem merecido
    (hahaha)Parabéns pelo conto Godoy,o blog cada vez melhor valew André

    ResponderExcluir
  3. Adorei o final do fdp kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    mas era pra ter sido comido u_u
    HSAUAHSUSHASU
    Parabéns ficou muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Um grande abraço para todos os leitores que gostaram do conto "Vida d Cão" e para o André que teve esta magnífica idéia de abrir espaço para novos escritores neste blog que já é um referencia licantrópica literária. Eu até que pensei em deixar o lobisomem acabar com o sacana, mas ia terminar muuuuuuuuuito rápido...HEHEHEHEHEH!!!

    ResponderExcluir